Metade das redes estaduais de ensino do Brasil utiliza a indicação política, o conhecido “QI”, como um dos métodos para selecionar diretores de escolas. É a segunda forma de seleção mais utilizada – a primeira é a eleição.

Pesquisa da Fundação Victor Civita, em 24 Estados, constatou que 42% dos diretores de escola são indicados pelo símbolo “QI”.

Para especialistas, essa forma de seleção pode prejudicar os alunos, já que não atende aos interesses da comunidade.

O estudo, intitulado Práticas de Seleção e Capacitação de Diretores Escolares Adotadas por Secretarias Estaduais e Municipais de Educação, mostra que a maior parte das redes estaduais utiliza a indicação – chamada de “instâncias locais” – combinada com uma ou mais formas de escolha do gestor, como eleição ou outra modalidade técnica.

É o caso de Pará, Paraíba, Amazonas, Espírito Santo, Tocantins e Rio.

Quatro Estados usam exclusivamente a indicação como método de nomeação de diretor de escola: Rondônia, Maranhão, Santa Catarina e Sergipe.