Como parte das mobilizações do #23J pela aprovação do Novo FUNDEB, o Sindicato APEOC realizou nesta terça-feira uma live com Reginaldo Pinheiro, presidente em exercício da entidade, e Anízio Melo, pré-candidato à prefeitura de Fortaleza e coordenador da Frente Norte Nordeste, para falar sobre financiamento permanente da Educação, campanha salarial 2020, veto presidencial, além de tirar dúvidas dos espectadores.

Mesmo com a atual crise sanitária e fiscal enfrentada pela pandemia do COVID-19, nosso sindicato segue firme junto com a CNTE e entidades estudantis (UNE, UBES, UEE, ACES, UNEFORT) na luta para aprovação da PEC 15/15, que trata do Novo FUNDEB, já que o atual fundo expira do final de 2020. A PEC, de relatoria da deputada federal Dorinha, com participação da APEOC na construção do texto, propõe um fundo permanente para Educação, com maior participação de recursos da União e utilização dos royalties do pré-sal. Reginaldo Pinheiro afirmou que sem esse fundo a Educação terá grandes prejuízos com a falta de verbas para manutenção e para os profissionais.

Anizio Melo, por sua vez, comentou que a Educação corre risco também caso o veto do Bolsonaro com relação ao congelamento do salário dos servidores públicos até o final de 2021 seja mantido. A APEOC vem fazendo uma grande articulação para que esse veto seja derrubado. Anizio relembrou a importância da participação de todos os servidores na mobilização pela derrubada do veto, fazendo pressão aos deputados federais através das redes sociais ou email.

À frente dos trabalhos com a Frente Norte Nordeste, Anizio e Reginaldo relembraram a luta pelos Precatórios do FUNDEF. Com o dinheiro já garantido para Educação, agora o foco é na aprovação da chamada PEC DO BEM, que garante a subvinculação de 60% do recurso para o Magistério e o restante distribuido em investimentos para Educação e para saúde.

Reginaldo Pinheiro ainda ressaltou que nossa entidade continua firme nas negociações com o Governo do Estado pela efetivação do Acordo Salarial 2020. Através de muita pressão, conseguimos assegurar o adicional do 1/3 de férias para o Magistério e não abrimos mão do reajuste já acordado de 12,84%.

Assista a live completa: