O governador Camilo Santana (PT) não sinalizou ainda sobre reajuste para servidores que têm janeiro como data-base. Os professores, categoria de peso, por meio do Sindicato Apeoc, já estão de orelha em pé.

“Queremos reajuste e o pagamento das promoções”, avisa o presidente da entidade, Anízio Melo, que esteve em Brasília, nesta semana, em reuniões com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação fechando pauta de lutas também nacionais.

Entre elas, garantia do dinheiro dos royalties do petróleo na educação e a manutenção do Fundeb, principal canal de investimentos no setor e que assegura a valorização do magistério. O Fundeb se expira em 2020.