A Câmara aprovou nesta sexta-feira (12), o destaque 43 dos deputados Idilvan Alencar e André Figueiredo, que trata da regra de transição com idade mínima para aposentadoria dos profissionais da Educação. O novo texto foi aprovado, por 465 votos favoráveis e 25 contrários.

Com a mudança, as mulheres precisarão ter ao menos 52 anos, e os homens, 55 anos para se enquadrar na transição que prevê pedágio de 100%. Essa regra determina que os professores (homens e mulheres) deverão pagar 100% sobre o tempo de contribuição que faltar para se aposentar quando a Reforma entrar em vigor. Se faltar dois anos, por exemplo, o professor terá de trabalhar quatro anos.

O texto principal, aprovado em primeiro turno na Câmara, determinava que apenas quem tem pelo menos 55 anos de idade (mulheres) e 58 anos (homens) poderia ter direito a essa regra de transição.

Para Anizio Melo, presidente do Sindicato APEOC, o resultado da aprovação foi um grande avanço contra a “Reforma Maldita”, e “Inescrupulosa”, um resultado que contou também com a força das mobilizações e articulações nas ruas. Anizio reforçou ainda: “Precisamos continuar na luta para enfrentar essa reforma e articular um grande movimento para lutar também pelo financiamento da Educação e impedir que tenhamos retrocessos na Educação deste país”.

O Sindicato APEOC parabeniza a todos os profissionais da Educação, estudantes, trabalhadores, parlamentares e companheiros de luta, que estiveram mobilizados em defesa da Educação.