Após a pressão do Sindicato APEOC, os profissionais da Educação do município de Caridade conquistaram mais uma vitória. Nesta terça-feira (23), o juiz Saulo Belfort acatou a Ação Civil Pública, ajuizada pelo Ministério Público, que cobra o pagamento de todos os salários atrasados dos servidores do município. A Prefeitura tem 48 horas para regularizar as remunerações.

Segundo o vice-presidente da Comissão Municipal do Sindicato APEOC em Caridade, Ismael de Abreu, a maioria dos trabalhadores do município está com salários atrasados desde dezembro de 2017, mas alguns não recebem desde outubro. Com os atrasos, a Comissão Municipal e representantes de outras categorias procuraram, no início de janeiro, a promotora Anny Grasielly Sales, autora da Ação Civil Pública que culminou na decisão judicial favorável aos servidores.

De acordo com o despacho, a Prefeitura tem 48h, a partir da notificação, para regularizar os pagamentos em atraso. O descumprimento acarretará em uma multa pessoal de R$ 1.000 por dia à prefeita Amanda Lopes.