Jornal O Povo repercutiu o Café da Manhã da Educação, promovido pelo Sindicato APEOC e realizado na última quarta-feira (4), com a entrega da Plataforma da Educação a todos as candidatas e candidatos à Prefeitura de Fortaleza.

O presidente da APEOC, Reginaldo Pinheiro, afirmou que o objetivo do encontro é promover e garantir, futuramente, através de articulações entre secretarias de governo e de suas bancadas na Câmara Municipal, o engajamento e participação nas lutas envolvendo os docentes. “Considerando toda essa realidade de retração de arrecadação, o momento se reveste de uma urgência. No documento, trazemos a preocupação com o ano de 2021, que no primeiro momento deve conciliar as atividades remotas e presenciais, e para isso deve ter mais investimento e segurança para os professores”, afirma.

Segundo a edição, os postulantes se comprometeram a aplicar na gestão o engajamento em lutas como a da valorização dos professores. Parte dos candidatos à Prefeitura de Fortaleza estiveram na sede do Sindicato dos Professores e Servidores da Educação e Cultura do Estado e Municípios do Ceará (Apeoc). Reunidos, os postulantes receberam e assinaram a Plataforma das Trabalhadoras e Trabalhadores da Educação, documento que propõe o engajamento da futura gestão com reivindicações dos professores municipais.
O candidato Heitor Férrer (Solidariedade) afirmou que pretende “abrir uma mesa permanente” para valorizar a categoria docente. “Eu assinei esse compromisso e, obviamente, com toda minha boa vontade me debruçarei sobre os compromissos assinados hoje, como valorização dos professores, permanência de anuênios, defesa do Fundeb”, disse.

Para o candidato Renato Roseno (Psol), ainda é necessário que a gestão municipal garanta a meta de creches na Capital, que seria, ao menos, 50% de crianças de 1 a 3 anos. “Há uma demanda reprimida de 7 mil vagas, isso seriam 80 creches. Na outra ponta, precisamos reinserir os adolescentes que não terminaram o Fundamental II. Para isso, precisaremos de mais docentes efetivos, o que só pode ser feito mediante concurso. Há 13 mil efetivos e 8 mil temporários. Precisamos reequilibrar essa equação com mais efetivos”, avalia.

Segundo Anízio Melo (PCdoB), entre algumas de suas propostas está a elevação do percentual mínimo no orçamento da Educação de 25% para 30% de forma escalonada e o reconhecimento da dívida de Fortaleza com os Precatórios do Fundef de 350 milhões. “A gente assume o compromisso, principalmente, por maiores recursos e a vinculação dos recursos do pré-sal para beneficiar a educação. É um compromisso que vem marcando na nossa história e a educação será fundamental para garantirmos um projeto de desenvolvimento econômico, social e humano na nossa cidade”, garantiu.

Paula Colares (UP) também participou do ato e destacou a necessidade de realização de concurso público para professores a cada dois anos, o aumento das verbas para financiamento e colocação dos temporários no regime de CLT. “Nossa gestão fará uma gestão democrática com participação efetiva dos profissionais da educação, ouvindo eles através dos sindicatos. A proposta é assumir o compromisso com a lei do piso e com a utilização de forma correta do Fundeb” ressaltou.

Estiveram presentes no encontro ainda o professor Rafael Rocha (assessor de Capitão Wagner, do Pros), Wladyson Viana (vice de Luizianne Lins, do PT), que chegou ao final do evento, e Francisco Galba (vice de Célio Studart, PV). Os demais candidatos não compareceram e não enviaram representantes.