O Sindicato APEOC entrou com uma apelação judicial nesta quinta-feira (20/05) com objetivo de barrar a liminar que determina o retorno obrigatório das aulas presenciais.

Fomos ao Fórum Clóvis Bevilaqua, chamamos a imprensa e reforçamos nossa posição contrária ao retorno presencial neste momento. Consideramos que a liminar concedida pela justiça foi precipitada, fere a independência dos poderes da República, não possui base científica e menospreza o fato que o estado do Ceará possui uma Mesa Permanente de Negociação entre SEDUC, Sindicato APEOC, legítimo representante dos profissionais da educação, e entidades estudantis que, juntos, debatem periodicamente as pautas da educação.

Defendemos que o retorno presencial só pode ocorrer quando as condições sanitárias e estruturais tiverem sido totalmente adotadas, levando em consideração a vacinação de todos os profissionais da educação e em um amplo diálogo envolvendo educadores, estudantes e o próprio governo estadual.

Repudiamos a ala do Ministério Público que apoiou esta ação judicial protocolada por negacionistas que não conhecem a realidade escolar e desconsideram a vida de toda a comunidade escolar. Neste sentido, apelamos à juíza que concedeu essa liminar que reconsidere sua decisão.

Quem realmente conhece a Educação e tem respeito com a vida sabe que o momento é de melhorar as condições estruturais para as atividades remotas e garantir seu acesso para todos alunos e professores. Nossa Mesa Permanete de Negociação tem avançado nesta questão. Conquistamos através de Portaria do Governo Estadual, a garantia de continuidade das atividades remotas, respeitando a decisão coletiva da comunidade escolar e individual de professores e alunos.

Quem representa a escola pública é o time da Educação, trabalhadores, trabalhadoras e estudantes. Retorno às aulas presenciais: NÃO É HORA!