Os grandes problemas sociais que o Brasil enfrenta atualmente são frutos da desvalorização do professor e consequentemente da educação. Os professores ainda são vistos e considerados pelos agentes públicos e privados como um fazedor de milagres, como um boia-fria da educação, como um quebra galho, como um bico. Infelizmente o exercício do magistério no Brasil  ainda é considerado um sacerdócio.

O professor não é considerado um profissional qualificado que merece respeito, dignidade e acima de tudo um salário justo. O trabalho do educador deveria ser considerado o mais nobre de uma nação.

Muitos professores pedem afastamento ou deixam a sala de aula, outros adoecem por não suportarem tamanha desvalorização. O estresse tem sido o companheiro número hum do educador brasileiro.

Podemos dizer que esta profissão está abandonada pelo poder público em todas as esferas (estadual, municipal e federal). Atualmente esse poder pouco tem ligado para a saúde mental e para qualidade de vida do s mestres.

Não existe outro caminho, outra solução para uma nação obter desenvolvimento e justiça social senão pela educação.

É preciso que aconteça uma revolução real no salário e na valorização do professor. Só desta forma a escola voltará a ser valorizada e a ter a sua importância reconhecida e valorizada pela sociedade.

Urgente se fraz que o poder público foque o seu trabalho na valorização social, política e econômica do educador.

A educação do nosso pais vai continuar em ruínas enquanto o poder público não reconhecer a caótica situação financeira do professor brasileiro.

A educação não pode continuar desfocada da real situação social, política e econômica do educador. Se esse descaso, se essa política de desvalorização dos professores pelos agentes públicos continuar, aí sim, podemos dizer que não existe remédio para a educação brasileira.

É dever dos entes públicos valorizar o professor. Não existe educação de qualidade, não existe professor de qualidade, não existe escola de qualidade, não existe aluno de qualidade sem salário de qualidade.

Por isso mesmo, cada professor, em todo o Brasil, merece e precisa ser valorizado, com formação adequada e carreira atraente.

Educação de qualidade muda um pais. Eu, você, todos pela educação. Todos por um salário digno para os professores. Esse é o nosso dever de casa. É preciso salvar a educação brasileira.

Paulo James Queiroz Martins
Representante da APEOC em Maranguape