logo.apeoc.fundoA Direção do Sindicato APEOC vem a público repudiar a ação de um pequeno grupo de manifestantes que, na manhã desta terça-feira, dia 12 de janeiro de 2016, se aglomerou na frente da sede da entidade, em Fortaleza. Com o intuito de dividir a categoria em relação à luta dos trabalhadores da Educação, o grupo disparou críticas infundadas contra o Sindicato e membros da diretoria e ainda ameaçou invadir o prédio.

No momento do protesto, o presidente e o vice-presidente estavam em reunião externa para tratar de interesses da categoria e o secretário-geral se encontrava em Russas, no Vale do Jaguaribe, em encontro com professores da região. Um dos assessores explicou a ausência dos diretores e recebeu a pauta de reivindicação do grupo. Em nenhum momento, a direção impediu a entrada de sócios na entidade. As portas do Sindicato APEOC sempre estiveram abertas aos sócios.

A divergência gira em torno da portaria de lotação dos professores da Rede Estadual de Ensino, que previa uma série de cortes no número de docentes na escola e a inviabilidade de projetos e ambientes de apoio pedagógicos importantes. Depois da publicação do documento pela Secretaria da Educação do Estado no dia 30 de dezembro de 2015, a categoria, por meio do Sindicato APEOC, se mobilizou para mudar os pontos polêmicos do documento. Após cinco rodadas de negociação entre os dias 05 e 08 de janeiro de 2016, a Seduc recuou e alterou várias medidas do documento original.

O Sindicato APEOC reconhece que a luta não para por aí. É preciso avançar na garantia do funcionamento de todos os espaços pedagógicos da escola, assim como na valorização dos professores efetivos como profissionais legítimos no processo ensino-aprendizagem. Além disso, ficou claro para o Governo que sem negociação não há educação. O processo de discussão de medidas como esta deve incluir todos os atores envolvidos, como professores, estudantes, gestores, representação sindical e Estado.

A luta continua esta semana com a negociação em curso sobre os impactos da portaria de lotação nos Centros de Educação de Jovens e Adultos (CEJA), com audiência marcada para a tarde desta terça-feira (12) na Seduc.

O Sindicato APEOC aposta no debate franco e democrático como instrumento indispensável na luta pela manutenção e ampliação dos direitos dos trabalhadores da Educação e no enfrentamento com os entes governamentais. A mobilização da categoria é marca da gestão do Sindicato APEOC, que já divulgou o calendário da Jornada de Lutas para janeiro, fevereiro e março de 2016. Estão programadas ações durante as Semanas Pedagógicas, Plenárias Populares, além das Assembleias por região, para deliberar as ações do ano. Nossa pauta é a exigência do pagamento da Revisão Geral dos Servidores, a convocação dos reclassificados do último concurso público da Seduc, a publicação dos atos de estabilidade e ascensão funcional, assim como a garantia das progressões horizontais. Em nível nacional, defendemos a aplicação de 75% dos royalties do pré-sal na Educação Pública, a nacionalização da carreira e a revitalização do FUNDEB. 

Em 2016, é “Tudo ao Mesmo Tempo Agora – da Revisão Geral à Nacionalização da Carreira”.