samiranotarepudioO Sindicato APEOC subscreve nota pelo afastamento arbitrário da presidente em exercício do Sindjorce, Samira de Castro, do jornal Diário do Nordeste, na tarde da última segunda-feira (02/04), em retaliação à denúncia de práticas anti-sindicais pela empresa.

NOTA DE REPÚDIO

As entidades abaixo assinadas repudiam, de forma veemente, a expulsão da presidente em exercício do Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado do Ceará (Sindjorce), Samira de Castro, da redação do Diário do Nordeste pelo diretor editor Ildefonso Rodrigues. O maior jornal do Ceará dispensou os trabalhos da jornalista em retaliação à matéria “Prática anti-sindical: Diário e O Povo censuram edital de assembleia por local de trabalho”, publicada no site do Sindjorce no dia 26 de março.

A repercussão nacional da denúncia despertou a ira dos patrões. Dois dias depois da publicação da matéria, o presidente do Sindicato das Empresas Proprietárias de Jornais e Revistas (Sindjornais), Mauro Sales, ameaçou, na presença de funcionários do jornal O Povo, o diretor de Ação Sindical do Sindjorce, Mirton Peixoto. Sales disse que os jornais iriam “endurecer” com o sindicato laboral, ameaça que se concretizou na semana seguinte.

Na tarde de segunda-feira (02/04), o editor Ildefonso Rodrigues chamou Samira na sala dele para comunicar que o jornal estava “liberando” a dirigente da obrigação de trabalhar. Afirmou que “não era interessante” para o Diário do Nordeste a presença da sindicalista na redação, atitude que caracteriza claramente perseguição política e prática anti-sindical por parte da empresa.

Com a expulsão da presidente do Sindjorce da redação, sobe para seis o número de dirigentes sindicais empregados do Diário do Nordeste e do O Povo a serem demitidos ilegalmente ou afastados compulsoriamente dos locais de trabalho em função da atuação sindical. São eles: Antônio Alves Gaudino, secretário-geral, e Juarez Alves, secretário de Formação (ambos do Sintigrace); Mirton Peixoto, diretor de Ação Sindical do Sindjorce, Evilázio Bezerra, diretor executivo da entidade, e Déborah Lima, diretora de Administração e Finanças do sindicato.

As entidades repudiam a posição intimidatória dos jornais cearenses, certas de que este é o sentimento de toda categoria. Os trabalhadores não irão se intimidar diante destas ações e, com consciência, autonomia e independência, continuarão a defender aumento real, condições dignas de saúde e segurança, igualdade de direitos e fim das práticas anti-sindicais.

Federação dos Periodistas da América Latina e do Caribe – Fepalc

Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ

Confederação Nacional dos Trabalhadores Gráficos

Sindicato dos Jornalistas do Ceará

Sindicato dos Jornalistas do Distrito Federal

Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro

Sindicato dos Jornalistas da Paraíba

Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Norte

Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul

Federação dos Trabalhadores em Comércio e Serviços do Ceará – Fetrace

Sindicato dos Gráficos do Estado do Ceará – Sintgrace

Sindicato dos Trabalhadores em Transporte de Valores – SindValores

Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público Estadual – Mova-se

Central Única dos Trabalhadores (CUT) e sindicatos filiados

Coordenação Nacional de Lutas (Conlutas) e sindicatos filiados

Sindicato dos professores no estado do Ceará (APEOC)