Com a reestruturação da carreira, o salário dos professores com nível superior em início de carreira aumentou 15% e, no fim da carreira, 24%

Após negociação entre Governo do Estado e Sindicato dos Professores e Servidores da Educação e Cultura do Estado e Municípios do Ceará (Apeoc), os professores do Estado conquistaram reajuste 12,84%, referentes ao Piso Nacional do Magistério. Além disso, a categoria também conseguiu reestruturação da carreira. Com isso, o salário inicial dos professores com nível superior teve um aumento de 15% (de R$3.648,77 para R$4.296,41) e o salário dos professores no último nível da carreira, um aumento de 24% (R$10.208,00 para R$12.699,85). A mudança foi anunciada ontem, 3, em live no Facebook pelo governador Camilo Santana.

O reajuste contempla professores efetivos ativos, temporários, aposentados e pensionistas. Para os professores com nível médio será retroativo a janeiro de 2020. para os profissionais com nível superior, o reajuste será aplicado em duas vezes, 7,5% em abril e 12,84% em setembro. “Com a reestruturação da carreira do professor no Ceará, a carreira no magistério cearense se torna a melhor carreira de professor que atua na educação básica do Brasil. Conseguimos também por fim ao teto do vale-alimentação”, explica Anízio Melo, presidente do Apeoc.

A mudança será aplicada em duas parcelas. Em abril, o novo teto do auxílio-alimentação para os profissionais do magistério será de R$ 6.101,06. Em 31 de dezembro de 2020, o teto será extinto. Dessa forma, todos os professores devem receber R$ 315,00. Conforme Anízio, será formado um Grupo Técnico entre Governo e sindicato para para tratar das questões relativas a aplicação dos recursos do Precatório do Fundef, que é de aproximadamente R$ 3,5 bilhões.

“Também fizemos um pacto de uma luta conjunta pelo Fundeb (Fundo Nacional de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica). Para que o governo pressione os deputados federais cearenses para que votem no novo Fundeb para evitar um caos na educação, uma frente ampla em defesa do Fundeb”, disse Anizio Melo.