confeduclisboaApós Conferência, CUT coletará assinaturas em apoio à luta pela destinação de 100% dos recursos do pré-sal e dos royalties para o financiamento da educação pública

Durante três dias, trabalhadores/as da educação, das escolas sindicais e dos diversos ramos que compõem a CUT, debateram de forma coletiva e plural os desafios colocados para a educação brasileira.

Todo este acúmulo refletiu na construção da Carta da 1ª Conferência Nacional de Educação da CUT – Educação Pública com Qualidade Social tem de ser prioridade – e na construção dos princípios orientadores para a intervenção na 2ª Conferência Nacional de Educação (Conae) e nas suas diversas etapas preparatórias.

– Para acessar a Carta da Conferência clique aqui

Dentre as inúmeras diretrizes, o secretário nacional de Formação da CUT, José Celestino Lourenço, Tino, ressalta a demanda empregada à Central de organizar e implementar em todo o país uma campanha em defesa da educação pública e um abaixo-assinado cujo objetivo é obter 1 milhão de assinaturas em apoio a um projeto popular a ser apresentado no Congresso Nacional, propondo a utilização de 100% dos recursos do pré-sal e dos royalties no financiamento da educação pública.

“Somente com a destinação de 10% do PIB para a educação mais os royalties do petróleo é que teremos as condições para que as outras 19 metas do Plano Nacional de Educação sejam implementadas durante os próximos 10 anos, sem perder de vista que é necessário fortalecer nesse processo a implantação de um Sistema Nacional de Educação que reúne as diretrizes nacionais”, afirmou Tino.

Ao realizar esta primeira Conferência, a CUT demonstrou sua responsabilidade e compreensão do papel relevante que a educação tem para o desenvolvimento do Brasil.

“A luta não se resume apenas na garantia de preparar as pessoas para o mercado de trabalho, mas a educação como um processo emancipador, na perspectiva de criar sujeitos que exerçam a cidadania ativa”, destacou o dirigente da CUT, segundo o qual a Conferência colaborou para “superarmos a questão de que educação deve ser de única responsabilidade dos trabalhadores da área, porque nesta Conferência estiveram quase todos os ramos da CUT presentes. É um processo que vai desencadear em todos os estados e fortalecer ainda mais a luta por uma educação de qualidade socialmente referenciada, pela valorização dos trabalhadores em educação, na implementação do piso salarial nacional e do Plano Nacional de Educação de acordo com as diretrizes dos trabalhadores e aumentar ainda mais a nossa pressão.”

Após todo o debate e construção coletiva, será encaminhada a inscrição da Conferência Nacional de Educação da CUT como uma conferência livre preparatória para a 2ª Conae. “Com as nossas propostas, estaremos nos fortalecendo ainda mais não somente no Fórum Nacional de Educação, como também nas conferências estaduais, municipais e intermunicipais. Agora, temos propostas, temos nossa militância e vamos ocupar estes espaços para defender as reivindicações da classe trabalhadora”, enfatizou Tino.