O índice de 6,47% de reajuste salarial dos professores Município proposto pela prefeita Luizianne Lins não foi comentado pela presidente do Sindicato APEOC, professora Penha Alencar, porém afirmou: “não queremos discutir apenas o reajuste. As negociações envolvem, ainda, perdas acumuladas, anuênios e progressão”, disse, explicando que a entidade enviou ofício ao secretário de Administração, Vaumik Ribeiro, encarregado das negociações, solicitando uma audiência para discutir a questão.

Segundo Penha Alencar, as perdas salariais acumuladas chegam a quase 13% nos últimos três anos. A categoria reivindica, também, o pagamento dos anuênios atrasados, correspondente a dois por cento a cada ano. “Tem gente aguardando desde 2008”, cita. Esclarece que a progressão possibilita mais dois por cento em mudança de nível dos professores. Contribuem para a elevação de nível, dentre outros fatores, titulações, como especialização, mestrado e doutorado.

A rede municipal de ensino tem, hoje, perto de 10 mil professores. “Há muito gente trabalhando com contrato temporário”, lembra a dirigente da APEOC, admitindo não ter como quantificar esse pessoal. A realização de concurso público é outro tema que pretende tratar com a Prefeitura.