A luta do Sindicato APEOC e da Frente Norte Nordeste pela Educação têm mais um grande avanço. Após a conquista da antecipação da 3ª parcela, foi anunciado pelo governador Elmano de Freitas, nesta quarta-feira (06), que o pagamento será feito ainda na folha de março, paga em abril. A reinvindicação do pagamento o mais rápido possível foi pauta da primeira reunião da Comissão Técnica, na qual a APEOC faz parte e que ocorreu na última terça, 05 de março, no prédio da secretária de Educação.

O encontro foi logo à após confirmação de que o dinheiro da 3ª parcela do Precatório do FUNDEF já teve depósito autorizado para conta especifica, do estado do Ceará, graças à petição de antecipação realizada pelo Sindicato APEOC. O despacho do pedido foi autorizado nesta terça-feira, 05, pelo ministro Luís Eduardo Barroso.

A reunião foi de alinhamento para que o valor de R$ 614 milhões de reais, referente a 3ª parcela, esteja o mais rápido possível no bolso dos professores (as) da rede estadual. Outro ponto importante da reunião foi a reivindicação feita pelo Sindicato APEOC de celeridade no pagamento dos valores referentes a 1ª e 2ª parcela aos herdeiros (as) e professores (as) sem vínculo com o estado.

Sobre a 3ª parcela, a lista preliminar será divulgada no dia 08 de março, a partir das 15h. O acesso a lista será possível pelo site da SEDUC e logo mais pelo 👉 Sistema de Precatórios do FUNDEF

Mais uma grande vitória de quem lutou, acreditou e conquistou mais recursos para o bolso dos professores (as) e para dentro dos muros das escolas. A luta não para por aqui. O Sindicato APEOC continua empenhado em assegurar a antecipação da 4ª parcela do Precatório do FUNDEF, sem parcelamento, buscando sempre defender os interesses e direitos dos educadores cearenses. São cerca de R$ 900 milhões de reais.

A Banca Aldairton Carvalho Sociedade de Advogados, que assessora o Sindicato APEOC e categoria na causa dos precatórios, viaja nesta quarta-feira (06/03) para Brasília para articular celeridade nos trâmites e garantir o pagamento desses recursos. A mobilização persiste, e o compromisso com a categoria permanece inabalável.