O Brasil vai levar ainda 20 anos para erradicar o analfabetismo da população de 15 anos de idade ou mais.

De acordo com os dados analisados pelo IBGE, a taxa de analfabetismo no Brasil atinge 10% da população, 7,2 pontos percentuais a menos do que em 1992. O percentual é considerado elevado na comparação com outros países latino-americanos como o Chile, a Argentina e o Equador. A taxa de analfabetismo é maior na parcela um quinto mais pobre da população (19%), no Nordeste (19,4%), na área rural (23,5%), entre pretos e pardos (13,6%) e com mais de 40 anos (16,9%).

A desigualdade verificada na raiz do analfabetismo também é constatada em outros níveis de ensino, como por exemplo, a educação infantil. A taxa de frequência à creche entre crianças de zero a três anos é de 18,1% e menos de 80% dos meninos e meninas de quatro a seis anos frequentam a pré-escola.

Na faixa etária da creche, a frequência é menor entre as crianças da Região Norte (8,4%); pretas e pardas (15,5%); do meio rural (7,2%) e entre os mais pobres (10,7%).