As representações estudantis criticam o financiamento das carteiras por empresários do setor

“Autoritária, antidemocrática e desrespeitosa”. Com essas palavras, o Diretório Central dos Estudantes (DCE), da Universidade Federal do Ceará (UFC), definiu a forma como a Prefeitura de Fortaleza vem tratando o processo de emissão das carteiras estudantis de 2011. O DCE questiona o fato de as 600 mil carteirinhas estudantis da Capital, 420 mil da rede pública e 180 mil da rede privada, passarem a ser financiadas por empresas do Sistema de Transportes.

“Defendemos o financiamento público das carteiras de estudante, direito conquistado com muita luta. O que está sendo feito pela Prefeitura é a privatização das carteirinhas, entregando o processo nas mãos dos principais inimigos da meia-entrada ilimitada, que são os empresários do Sindiônibus e da Sindivans”, disse a diretora do Diretório, Cecília Feitosa.

Ela alega que o processo foi decidido sem consulta à entidade representativa dos estudantes, já que por ocasião das negociações o DCE da UFC estava em pleno período eleitoral. Diz ainda que o prazo dado pela Empresa de Transporte Urbano de Fortaleza (Etufor) para entrega dos formulários não levou em conta que a Universidade encontra-se no fim de semestre. Ela ainda acusa a Prefeitura de impor que a carteirinha seja um cartão de débito, com a bandeira Libercard. Para resolver os impasses, o DCE reivindica que o prazo para entrega dos formulários seja estendido até 4 de maio de 2011. O presidente da Etufor, Ademar Gondim, no entanto, diz que a posição tomada pelo DCE da UFC “é política”.

Diz que com o novo processo, o que muda é que não terá revalidação, nem prorrogação, mas um recadastramento dos estudantes. O objetivo, segundo afirmou, é combater a “fraude da meia-entrada” e zerar o banco de dados da Etufor, que acumula o cadastro de todos os estudantes da rede de ensino.

Democrática

O presidente da Etufor garante que o processo foi definido de forma democrática, com representantes das entidades. O processo de emissão está previsto para valer a partir do dia 1º de maio de 2011. Por isso, Ademar alerta: “se houver algum atraso na distribuição, a culpa não pode ser atribuída nem a Prefeitura e nem a Etufor”. As entidades têm até 10 de dezembro para entregar os formulários.

Com relação ao Libercard, Ademar diz que se trata de um contrato assinado entre as entidades e a empresa de cartões. Cláudio Rocha, presidente da Associação dos Estudantes de Fortaleza (Asesf), declarou que a ideia de utilizar o sistema Libercard é agregar valor a carteira de estudante.

(Diário do Nordeste 02-12-2010)