A Assembleia Geral, realizada nesta quarta-feira (26), na EEM Adauto Bezerra, contou com a massiva participação de professores, professoras e funcionários(as) da Educação, apesar dos reiterados ataques sorrateiros e antissindicais do Governo/PGE, que buscaram na Justiça barrar a paralisação da categoria com ameaça de multa para o sindicato e seus diretores, além do desconto das faltas já recuperadas da Greve de 2009, que impactariam nas promoções, auxílio alimentação e aposentadorias.

Tendo à frente dos trabalhos o Professor Anízio, Presidente da APEOC, a categoria de forma unânime atualizou a pauta de reivindicações e deliberou pela mobilização total em defesa do Precatório do FUNDEF para todos(as), com realização de vigília com representantes das escolas, no dia 4 de novembro, sexta-feira, às 10h, em frente à SEDUC, para acompanhar a reunião da Mesa de Negociação com o governo.

Além disso, foi deliberado:

• Convocação de nova Assembleia após resposta do governo;

• Tentativa de realização de audiência pública na Assembleia Legislativa do Ceará;

• Formação de comissão para apresentação da pauta ao governador eleito;

• Criação de uma comissão de mobilização;

• Derrubada do pedido de ilegalidade da Greve de 2009;

• Contratação de banca externa para novas ações na justiça em defesa dos trabalhadores em educação, e;

• Convocação dos zonais, com reunião organizativa para tratar da estratégia de luta.

É bom ressaltar, que além do Precatório do FUNDEF, a categoria reforçou a luta pela:

• Revisão da taxação dos aposentados(as);

• Convocação de todos(as) os(as) que fazem parte do CR do Concurso SEDUC 2018; e

• Destinação de parte dos 40% dos Precatórios do FUNDEF para a valorização dos(as) funcionários(as) da Educação.

Além disso, foi informado que o Sindicato APEOC terá audiência de conciliação, no dia 3 de novembro, com o Governo do Estado/PGE para tratar do pedido de reabertura do processo que trata da greve de 2009.

O Sindicato APEOC continua buscando resolver as pendências com diálogo sério e qualificado junto ao governo, deixando claro que não vai se curvar às tentativas arbitrárias de calar e desmobilizar a categoria!