2012.09.12.issec.pO  presidente do Sindicato – APEOC, professor Anízio Melo, denuncia à opinião pública cearense que não há mais condições de intermediar diálogo com os setores de saúde do governo do Estado. Setores que deveriam ser responsáveis pela prestação dos serviços de assistência médico-hospitalar aos 135 mil servidores estaduais. Estes trabalhadores estão literalmente abandonados, quando, no pior momento de vida: com sintomas de doença. Ocasiões eventuais, mas não dispensáveis à presença de profissionais da área de saúde, exames laboratoriais e, internamento hospitalar.

Anízio Melo promete que vai solicitar audiência ao gabinete do governador Cid Gomes para relatar, oficialmente, o que ocorre na prestação dos serviços de saúde aos empregados (servidores) do Estado do Ceará, e, especial aos professores e servidores da educação associados do Sindicato – APEOC.

Os diretores do ISSEC – Instituto de Saúde dos Servidores do Estado, instituição que deveria ter assumido os serviços até então prestados pelo extinto IPEC aos servidores do Estado, estão vivendo mundo irreal e bem distante do que ocorre, diariamente, no Ceará. Para o presidente do Sindicato – APEOC, em várias ocasiões, diretores desta entidade sindical já formalizaram denúncias à direção do ISSEC, relatando todas as dificuldades existentes em Fortaleza, e, com excesso de gravidade, no interior do Estado.

Na sede do Sindicato – APEOC, diz o presidente Anízio Melo a escutar todos os dias sonoro coro entoado por professores e servidores da educação, lamentando ausência inexplicável dos serviços do ISSEC no interior do Estado. Situação agravada com a falta de hospitais e de profissionais credenciados para atendimento dos trabalhadores empregados pelo poder público. Anízio enfatiza ainda que essa situação de insatisfações diante de um explícito abandono patronal contra os trabalhadores nos serviços públicos estaduais será item de audiência com o governador Cid Gomes. Encontro que deverá anteceder outras reações e concluiu: – o ISSEC é um problema de gestão pública.