Os governos do Estado e da prefeitura de Fortaleza sofreram nos últimos 30 dias duas derrotas na Justiça. Em ambas, a presença de perseguição aos servidores públicos efetivos.

Na derrota do Estado, o Tribunal Regional do Trabalho da 7ª Região (TRT7) confirmou por unanimidade, o piso salarial dos professores da Universidade Estadual do Ceará. O valor varia entre 8,5 e 10 salários mínimos. Decisão que não cabe mais recurso.

Há 22 anos, os professores universitários da instituição lutam para assegurar o pagamento do piso salarial. A posição do TRT7 obriga o Governo do Estado a pagar o que é devido aos docentes, sob pena de ter as contas bancárias bloqueadas.

O benefício foi estabelecido em 1986 pela lei 11.247 e pelo decreto 18.292 e estabelecido em janeiro de 1987. Através de recursos judiciais, o Governo vinha protelando a implantação até que, em 2007, o STF julgou a causa definitivamente. O STF julgou a causa definitivamente, em que não cabe mais recurso.

Na derrota da prefeitura de Fortaleza, o Supremo Tribunal Federal decidiu, por unanimidade, derrubar Ação proposta pelo Partido dos Trabalhadores, em nome da prefeitura de Fortaleza, que questionava a isonomia salarial de dois mil e quinhentos servidores, obtida em 1985 por decisões judiciais, beneficiando, entre outros servidores, engenheiros e assistentes sociais com piso salarial.