Dirigentes sindicais de 20 Estados, incluindo Mato Grosso, estão reunidos no seminário de formação do projeto EPT/ AIDS, no Hotel Fazenda Mato Grosso, desde ontem (23). O evento prossegue até sexta-feira (27) e visa sensibilizar e formar os educadores para que possam auxiliar o Programa Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE), no ensino da educação sexual e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.

Em Mato Grosso, a vice-presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep/MT), Jocilene Barboza dos Santos, e o secretário de Políticas Educacionais, Henrique Lopes do Nascimento, são os líderes do tema. Na tentativa de difundir o assunto e fazer com que ele seja realmente discutido em todas as escolas, o Sintep/MT também possui outros dirigentes participando do seminário, são eles: a secretária de Formação, Marli Keller; a secretária de Funcionários, Guelda Cristina de Oliveira Andrade; Maurocir Silva, do Coletivo de Diversidade Sexual; o secretário de Organização, Luiz Benedito Prina; e a diretora da regional Oeste III, Edna Bernardo.

Coordenado e planejado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE), o seminário trabalha com dois materiais básicos: o guia de formação do Ministério da Educação (MEC), com conteúdo apropriado para os jovens e também o kit mala do prazer, que é composta por materiais pedagógicos que darão suporte ao educador ao trabalhar os temas com os alunos. A programação conta com discussões, trabalhos em grupo, e dois trabalhos práticos em Cuiabá e Várzea Grande. Amanhã (25), na Escola Estadual Prof. Nilo Póvoas, em Cuiabá, e na quinta-feira (26), na Escola Estadual Jaime Veríssimo de Campos, em Várzea Grande.

Neste seminário, os representantes de cada Estado terão que indicar dez escolas da sua região que serão priorizadas com a discussão e trabalho sobre sexualidade e juventude, relações de gênero, diversidade sexual e prevenção HIV/AIDS. A CNTE, de posse dos nomes das escolas e dos líderes de cada Estado, fará o trabalho de incentivo e apoio. Segundo a secretária de Relações Internacionais da CNTE, Fátima Silva, estamos caminhando para um futuro no qual teremos uma juventude saudável, que conhece seus direitos e que serão adultos sem preconceito e com responsabilidade para viver sua sexualidade.

Cuiabá foi escolhida como sede do seminário pela CNTE pela atuação do Sintep/MT no Programa de Saúde e Prevenção nas Escolas (SPE). Queremos mostrar para os outros 19 Estados participantes como Mato Grosso tem trabalhado o assunto, conta Fátima Silva.

De acordo com Jocilene Barboza, o Sintep/MT também promoverá seminários estaduais para trabalhar o assunto com os educadores de Mato Grosso. Segundo ela, é preciso ser feito um trabalho sério e prático nas escolas, sensibilizar os demais dirigentes para que promovam políticas de combate à AIDS e esclareçam a igualdade entre as diversidades de gênero. Para isso, é necessário que os educadores estejam preparados para colocar o tema em debate para os jovens, a fim de que possam ser capazes de fazer a melhor escolha para si.

A linguagem indicada para debater as doenças sexualmente transmissíveis e educação sexual é a direta, falar sobre o que realmente acontece e não tentar amenizar nenhum aspecto. Hoje, o jovem possui muita informação, mas não sabe direito o que fazer com ela. Portanto, a estratégia é que os professores se apropriem das metodologias e conteúdos abordados no seminário. Dessa forma, eles poderão multiplicar o conhecimento em sala de aula e formar outros professores, explica a consultora para HIV/AIDS e facilitadora do seminário, Maria Adrião.