A Rede de Articulação do Grande Jangurussu e Ancuri promoveu quinta-feira à tarde, um ato de protesto na Palhoça da Igreja do Conjunto Palmeiras. O objetivo foi cobrar uma solução para a falta de professores nas escolas da rede pública municipal da área. Centenas de crianças e adolescentes estão sem aula.

O Sindicato – APEOC continua recebendo denúncias sobre carência de docentes nas seguintes escolas: Maria Helenilce C. Leite Martins, Taís Maria Bezerra Nogueira, Bernadete Oriá, Professora Martha dos Martins Coelho, Marieta Calls, Professora Maria do Socorro Ferreira, Irmã Stella, Antônio Girão Barroso, César Cals de Oliveira Neto, todas localizada na regional VI.

Algumas escolas estão sem professores desde o início do ano letivo de 2010. As carências se dão nas mais variadas séries, do 4º ao 9º ano, e em disciplinas variadas, como Português, Inglês, Artes, Literatura e História. Algumas delas estão sem professores em 06 disciplinas.

O Ministério Público Estadual, por meio da Promotoria de Defesa da Educação, abriu um procedimento administrativo para averiguar a situação.

O Sindicato – APEOC vem realizando blitzes nas escolas municipais, constatando a carência de professores e tem cobrado insistentemente da secretária de Educação de Fortaleza a urgente convocação de todos os educadores concursados (cadastro de reserva). Agora em setembro, depois da pressão do Sindicato – APEOC e dos professores, a SME convocou 548 professores do cadastro reserva do último concurso para cargos efetivos para sua rede de ensino, e a titular do órgão, Ana Maria Fontenele, garante o fim da carência de docentes até o final do mês de novembro. O sindicato da categoria continua na luta pela convocação de mais concursados.

A carência de professores tem trazido sérios prejuízos para os estudantes, para a educação em Fortaleza.

QUEM EDUCA, TAMBÉM LUTA POR UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE!
SINDICATO – APEOC/CUT/CNTE