A violência nas escolas é tema que deveria ser prioridade nas políticas públicas de governo. Por que deste drama em ameaça constante? Falta o que? Na verdade faltam limites, inexistência de diálogo entre pais e filhos e insuficiência de políticas públicas para a educação. Estes são alguns fatores que contribuem para o aumento da violência nas escolas. Outros fatores: sobrecarga no trabalho e a falta de tempo livre da vida moderna podem deixar os pais desatentos com relação à família, o que transforma o ambiente dentro de casa, refletir no comportamento dos filhos.

Para o Sindicato – APEOC a violência não é produzida na escola, mas a escola sofre os seus impactos. A gestão democrática na escola é um dos caminhos para reverter o problema, porque ao envolver a comunidade na organização escolar, se estreita o vínculo aluno-família-escola, tornando mais eficaz a superação de conflitos dessa natureza.

É preciso admitir que a violência tem efeito negativo no dia-a-dia e na aprendizagem de alunos e que as autoridades políticas e educacionais precisam de determinação para enfrentar o problema. Câmeras, catracas e policiamento ostensivo nas escolas podem ajudar, mas não é a solução, uma vez que expulsando os responsáveis pela agressão, não são expulsas as razões que levam às situações de violência. E é importante que alunos, professores, diretores voltem a sentir o prazer de conviver nesse espaço e ele volte a ser, como dizia o educador Paulo Freire, uma escola feliz.

Esperamos que as autoridades envolvidas na área dediquem mais atenção ao assunto e ajudem a diminuir o problema no país, investindo na escola, no aluno e no professor.