O Conselho Nacional de Educação reunirá, agora, em dezembro, representantes de estados, municípios e escolas particulares numa tentativa de criar uma data-limite nacional para que a criança, de acordo com o dia de nascimento, possa ser matriculada no primeiro ano do novo ensino fundamental.

Atualmente, as escolas adotam critérios diferentes sobre a idade mínima para o aluno e muitas crianças acabam obrigadas a refazer ensino infantil.

Parte do Brasil decidiu que a criança só pode entrar no ensino fundamental com seis anos; em outra parte do país, com cinco anos. O conselho teme que, caso a ausência de padronização permaneça, crianças novas demais entrem no ensino fundamental.

Para o órgão, os alunos de cinco anos devem ter atividades lúdicas e brincadeiras, e não lições de alfabetização.