O deputado estadual Heitor Férrer acusou o Governo do Estado de não respeitar decisões judiciais. Argumento para o ataque: o Executivo não ter dado posse a cerca mil concursados para a área da Saúde, aprovados em 2006, último ano em que o ex-governador Lúcio Alcântara esteve no comando do Palácio Iracema. Enquanto isso, o atual Governo estaria gastando milhões com funcionários terceirizados.

Heitor declarou ainda que uma decisão tomada pelo conselheiro Alexandre Figueiredo, do Tribunal de Contas do Estado, dava um prazo de 180 dias para que os aprovados fossem convocados. Entretanto, durante a ausência de Figueiredo, o tribunal acabou desconstituindo o que foi julgado. O fato redundou numa ação penal contra os conselheiros do TCE no Superior Tribunal de Justiça (STJ).