O levantamento compara características de remuneração de 25 estados e do Distrito Federal

COMPARAÇÃO CRUEL: a diferença salarial entre os docentes nos estados chega a ser de quase 145%De acordo com um levantamento chamado de “Análise Comparativa Salarial dos Professores da Rede Estadual no Brasil”, o professor cearense recebe o sexto pior salário de início de carreira de todo o Brasil. A pesquisa foi realizada no início de setembro passado, por uma parceria entre o Sindicato Associação dos Professores de Estabelecimentos Oficiais do Ceará (Apeoc), a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e a Central Única dos Trabalhadores (CUT).

Um professor de nível médio em início da carreira no Distrito Federal, por exemplo, ganha 143,12% a mais do que o mesmo profissional no Ceará. Enquanto o docente de Brasília recebe, por 40 horas semanais, R$ 3.227,87; o cearense embolsa R$ 1.327,66.

O professor cearense perde, inclusive, para o docente do Maranhão. A diferença entre os dois estados chega a 111,68% no contracheque. O professor maranhense recebe R$ 2.810,36. Ou seja, um mestre no Maranhão ganha mais do que o dobro do que recebe o profissional do Ceará.

O levantamento compara as remunerações de 25 estados e do Distrito Federal. Mato Grosso não enviou dados para serem analisados. No ranking dos mais baixos salários, levando em consideração apenas os estados nordestinos, o Ceará ocupa a quarta posição, ganhando da Paraíba, do Rio Grande do Norte e de Pernambuco. Docentes do Piauí, de Sergipe, de Alagoas e da Bahia também estão em melhores condições salariais se comparados ao Ceará.

O valor da hora/aula também foi avaliado. Enquanto o profissional da área no Distrito Federal (líder na relação das melhores remunerações) ganha R$ 16,13 por hora de aula, o do Ceará recebe R$ 6,63.

O presidente da CNTE, Roberto Leão, afirma que o valor social da profissão é incontestável, mas reconhece que a desvalorização afugenta potenciais interessados. A psicóloga Arminda Guimarães diz que, além dos baixos salários, questões como o estresse e a violência dentro da escola adoecem cada vez mais o professor.

DISCORDÂNCIA
Comparação não é justa, diz Seduc

“A realidade não é do jeito que a Apeoc divulgou”, afirma o secretário adjunto da Secretaria da Educação do Estado (Seduc), Maurício Holanda. Segundo ele, o correto e mais justo seria uma comparação com base na média salarial do professor. “Dos 13 mil docentes, 10,5 mil já recebem uma média de R$ 2,4 mil. Por isso, afirmar que o cearense ganha o 6º pior salário do Brasil não é correto”.

Holanda explica que também existem diferenças entre os estados, como os Planos de Cargos, Carreiras e Salários, com dispersão de níveis nada semelhantes. “No Ceará, temos 30 níveis, o mesmo não se aplica aos outros estados, com planos mais recentes, como é o caso do Maranhão, ou mais antigos, a exemplo de São Paulo”, informa ele.

O Conselho Nacional dos Secretários Estaduais de Educação realizou, em 2008, estudo comparativo com base nas médias salariais de 17 estados para a jornada de 20 horas. Nesse caso, o Ceará ocupa a sexta posição entre as mais altas remunerações: R$ 1.261,04. Só perdendo para Paraná, Espírito Santo, Acre, Rio de Janeiro e Pará.

De acordo com Maurício Holanda, o salário para jornada de 40 horas melhora à medida em que o professor vai se capacitando. De graduado para especialista, há um aumento de 47,75%, pulando do nível 13 para 21 no Plano de Cargos.

Ranking dos salários

Os melhores

Distrito Federal – R$ 3.227,87
Maranhão – R$ 2.810,36
Roraima – R$ 2.806,04
Mato Grosso do Sul – R$ 2.394,00
Amazonas – R$ 2.241,52
Acre – R$ 2.234,38
Amapá – R$ 2.234,08
Alagoas – R$ 2.030,00
Tocantins – R$ 2.020,00

Os piores

Ceará – R$ 1.327,66
Rio Grande do Sul – R$ 1.269,56
Paraíba – R$ 1.243,09
Rio Grande do Norte – R$ 1.157,33
Goiás – R$ 1.084,00
Pernambuco – R$ 1.016,00

LÊDA GONÇALVES
REPÓRTER