O Sindicato APEOC divulga, nesta sexta-feira (10), a nova tabela salarial de 2024, que será válida a partir de 1º de julho. Resultado de muitas batalhas da categoria junto ao Sindicato APEOC, a melhor estrutura de carreira do magistério dentre as redes estaduais do país será fortalecida com o reajuste linear de 5,62% e a criação da PVR para doutores, bem como com o aumento diferenciado para os professores temporários.

Nossa carreira, fruto das lutas e da competência técnica e política de negociação do nosso sindicato, é a única no país que garante promoções sem barreira, com acréscimo de 5% em cada uma das 20 referências (de C a V) e promoções por titulação com saltos de referências e aumento na Regência de Classe, proporcionando uma dispersão entre o salário inicial e final que chega a quase 200%.

A partir de 1º de julho, o professor graduado passará a receber de R$ 6.465,10 a R$ 15.073,50, o professor especialista de R$ 7.877,21 a R$ 15.966,95, o professor mestre de R$ 9.754,40 a R$ 16.960,41, e o professor doutor de R$ 12.311,79 a R$ 18.934,22, a depender de sua posição/ascensão na carreira.

Os professores temporários, por sua vez, passarão a receber, a partir de julho, uma PVR de R$ 458,83, resultando em uma remuneração de R$ 5.127,81 e reduzindo a diferença entre o que este recebe comparado ao inicial de carreira do efetivo.

O cumprimento do que foi arrancado na Mesa de Negociação e aprovado na Assembleia Geral, em seus 36 encontros, já começou a ser efetivado, com a divulgação do cronograma das promoções sem titulação de 2022, a criação do Grupo de Trabalho que acompanhará o andamento das obras e reformas das escolas da rede estadual, e a aprovação da PVR para doutores e professores temporários nesta semana na Assembleia Legislativa.

A nossa luta não para! Continuamos, junto à categoria, mobilizados para derrubar a absurda taxação de 14% nas aposentadorias, cobrar as ampliações definitivas e lutar por um Plano Nacional de Educação (PNE) que aponte para mais fontes de financiamento e atenda à pauta pedagógica que a escola pública necessita e que seus estudantes e trabalhadores merecem. Vamos à luta!

 

VEJA A TABELA AQUI