O professor Jaime Alencar faleceu no dia 28 de novembro de 2008, com 69 anos de idade, exatamente, há um ano. Deixou precioso legado de luta contra as deficiências de gestão nas políticas públicas de governo. Sonhava ele com uma educação de qualidade e com a valorização dos seus profissionais.

Ainda como estudante secundarista, no velho e tradicional Liceu do Ceará, Jaime Alencar, iniciou suas atividades no magistério, lecionando em diversos colégios de Fortaleza. Os seus obstinados ideais em defesa da educação e dos educadores, da rede pública de ensino, em momento algum fraquejaram o seu espírito guerreiro e presente em todos os municípios cearenses. Sem exceção, Jaime Alencar, em qualquer Prefeitura e Câmara Municipais sempre esteve ao lado dos professores, em diálogos democráticos, civilizados, e, quando necessários, ásperos ou não corteses com prefeitos e gestores não amantes da educação.

A Educação Básica, na escola da rede pública de ensino do Ceará, não perdeu apenas um professor de filosofia, mas um nato líder classista dedicado aos colegas de magistério.

Jaime Alencar nos deixou sem comemorar a sonhada educação que sempre desejou para a juventude cearense na escola pública. A sua luta em defesa da Educação Básica nasceu quando ainda criança em sua terra natal, Iguatu. Foram mais de 50 anos de dedicação exclusiva até o seu último momento de lucidez, dizendo sempre: “sem educação, não há cidadania”.